CBG promove mais uma ação para reforçar pilares do Programa de Ética e Integridade

13.08.2020  |    266 visualizações

Atletas e treinadores envolvidos na Missão Europa acompanharam palestra do Consultor Jurídico, Paulo Schmitt

Da Redação, São Paulo (SP) - Dando sequência ao meticuloso trabalho de combate a todas as formas de violência e fraudes no esporte em geral, e na ginástica em particular, a CBG (Confederação Brasileira de Ginástica) promoveu, nesta quarta-feira (12), mais uma palestra do Consultor Jurídico da CBG, Paulo Schmitt. Os atletas e treinadores que participam da Missão Europa puderam acompanhar a ação por meio do aplicativo Zoom.

Em linguagem acessível, desprendendo-se do jurisdiquês, Schmitt esmiuçou diversos aspectos do Código de Ética da CBG e do Programa de Combate ao Doping, Manipulações, Assédio e Preconceito.

“As ações educacionais devem ser permanentes, duradouras. A gente vai fazer de tudo para que a comunidade da Ginástica se sinta segura. Caso alguém não se sinta, deve encaminhar sua denúncia. É fundamental que todos saibam que essa denúncia pode ser anônima. O que importa mesmo é que ela seja feita”, diz o experiente advogado, um dos maiores especialistas em Direito Desportivo do País. “A direção da CBG está firmemente comprometida no combate a qualquer forma de abuso, assédio e preconceito. Trata-se de uma fórmula matemática: quanto maior a integridade, menor será a ocorrência de fraudes e violência”.

Schmitt abriu sua explanação distinguindo a face interna da externa da integridade no desporto. A interna refere-se à política das organizações desportivas através do fortalecimento de aspectos éticos, transparência, governança e responsabilização de entidades de administração e de prática desportiva e seus dirigentes. Já a face externa é constituída por um conjunto de programas, processos, projetos ou atividades com a finalidade de resguardar a credibilidade de instalações desportivas, a organização de competições, valorização do fair-play e esporte limpo por meio de ações de combate a fraudes, corrupção, manipulação de resultados, doping, assédios, preconceito e abusos no esporte.

Na sequência, o especialista expôs o tripé no qual se assenta a integridade: fiscalização, educação e punição. “O conhecimento é a nossa proteção. Devemos educar antes para não termos que punir depois!”, destacou o Consultor Jurídico.

Indo mais fundo no Código de Ética da CBG, Schmitt abordou a gradação das punições lá previstas: suspensão, proibição de acesso a locais de competição, proibição de tomar parte em qualquer atividade relacionada à Ginástica e demissão.

Em seguida, Schmitt abordou outra questão importantíssima: o doping. Depois de lançar luz sobre a estrutura da Justiça Desportiva Antidopagem que se incumbe do julgamento das violações das normas antidopagem, ele mostrou quais são as penas previstas no Estatuto do Torcedor e no Código Brasileiro Antidopagem.

O advogado alertou ainda que diversos assediadores e aliciadores podem aproveitar este momento sem competições para oferecer substâncias proibidas, alegando que seria o momento propício para realização de ciclos de dopagem. “Esclareço que a utilização de substâncias ou métodos proibidos será flagrada por meio de ações ligadas ao passaporte biológico e dos exames regulares em competição ou fora dele”.

Mereceu atenção especial também o tópico que tratou da questão do assédio sexual, moral e abusos. “Nenhum esporte é imune a esses problemas que ocorrem em todos os níveis de desempenho. Todos no esporte compartilham a responsabilidade de identificar e prevenir o assédio e o abuso sexual e desenvolver uma cultura de dignidade, respeito e segurança no esporte. Organizações esportivas, em particular, são portadores de segurança e devem demonstrar liderança forte na identificação e erradicação dessas práticas”, diz o texto do COI preparado para a exposição.

O Programa de Ética e Integridade e as diversas ações ligadas a ele já constituem um forte escudo de proteção à comunidade gímnica. Durante a pandemia, alguns aliciadores se infiltraram nas redes sociais de atletas para pedir fotos, com finalidades espúrias. As denúncias foram devidamente encaminhadas e as autoridades puderam cumprir seu papel. “Uma força-tarefa reunindo Polícias Civis, Polícia Federal e Ministério Público do Trabalho foi formada. Vários aliciadores estão sendo identificados e processados”, informou Schmitt.

A exposição de Schmitt teve o valor de uma aula detalhada, diferenciando assédio sexual de abuso sexual e de assédio de gênero. Vamos às definições: a figura do assédio sexual refere-se a comportamento em relação a um indivíduo ou grupo que envolve uma sexualidade verbal, não verbal ou física, seja intencional ou não intencional, legal ou ilegal, que se baseia em um abuso de poder e confiança e isso é considerado pela vítima ou por um espectador como indesejado ou forçado.

O abuso sexual se configura quando ocorre qualquer atividade sexual sem consentimento ou numa situação em que o consentimento não possa ser dado. No esporte, muitas vezes envolve manipulação e aprisionamento do atleta.

Já o assédio de gênero consiste em tratamento depreciativo de um gênero ou outro que é sistemático e repetido, mas não necessariamente sexual.

Muito bem fundamentada, a palestra de Schmitt citou dados extraídos de um relatório publicado pela revista britânica The Economist a respeito de assédio sexual direcionado a menores de idade. “O estigma social associado à violência sexual contra meninos desencoraja denúncias formais e é exacerbado por normas machistas, pela homofobia e pelo medo de associação com o feminino, a vulnerabilidade e o desamparo”, diz o texto.

No caso de o ginasta ser alvo de assédio ou abuso, três ações são fundamentais:

RECONHECER – identificar as estratégias dos aliciadores e assediadores é importantíssimo.

RESISTIR – os membros da comunidade gímnica foram orientados a não aceitarem situações em que fiquem sozinhos ou confinados em ambientes comprometedores.

DENUNCIAR – É dever de quem sofre abuso ou assédio, e o melhor a ser feito para a proteção de cada indivíduo que seja alvo desses crimes e, por extensão, de toda a comunidade.

Importantíssimo tópico da palestra, o combate ao preconceito foi abordado com muita clareza por Schmitt. Primeiramente, o advogado apresentou a conceituação da infração de preconceito contida no Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Diz o artigo 243-G: “(…) praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem ética, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência”. Destacou o princípio da igualdade no art. 5º. do Código de Ética da CBG: “I - Igualdade de oportunidades e não discriminação – Trata-se de princípio básico de atuação na Confederação Brasileira de Ginástica proporcionar as mesmas oportunidades no acesso ao trabalho e na promoção profissional, garantindo sempre a ausência de situações de discriminação em virtude de sexo ou orientação sexual, raça, religião, origem, estado civil ou condição social. Em razão disso, os indivíduos sujeitos a este Código que atuarem em processos de contratação, seleção e/ou promoção profissional, serão orientados pela objetividade em suas atuações e decisões, com atitude aberta para a diversidade e com o objetivo de identificar sempre aquelas pessoas mais adequadas ao perfil e necessidades do cargo a ser preenchido.”

Uma vez mais, Schmitt salientou que existe um espaço no site da CBG, a ÁREA DE ÉTICA, para o encaminhamento de qualquer denúncia relativa a preconceito, manipulações, doping e preconceito.

Além dos canais para o acolhimento de denúncias referentes a atos ilícitos e violações, a CBG criou as Comissões de Integridade, que se encarregam de analisá-las e de encaminhá-las.

Antes de abrir espaço para as perguntas dos atletas, Schmitt mostrou imagens de reportagens que já demonstram os resultados desses esforços: denúncias foram encaminhadas aos órgãos competentes, que tomaram as devidas providências.

Uma série de ações já foram desenvolvidas pela CBG: cursos, palestras, webinários. O esforço é contínuo e objeto de constante aperfeiçoamento, que se amplifica com o engajamento de toda a comunidade gímnica.

Como de praxe nas ações da CBG, a Comissão de Atletas, representada por sua presidente, Natália Gáudio, mais uma vez participou de forma efetiva. A ginasta capixaba reforçou a importância de que qualquer membro da Ginástica, ao deparar com um comportamento suspeito, não bloqueie o interlocutor de imediato nas redes sociais, para que haja tempo de se constituir provas para embasar eventuais processos judiciais.  

 

Leia também...
18.09.2020

Primeira edição do Programa será veiculada neste sábado, às 17h

15.09.2020

Ginastas da Seleção Brasileira fazem balanço extremamente positivo do período de treinos em Sangalho. A ordem agora é embalar nos treinos para terminar 2020 com tudo

09.09.2020

Além de exibir os atletas em excelente forma física, direto do CT Time Brasil, em Sangalhos, novos elementos treinados foram revelados

08.09.2020

Segunda edição do programa vai mostrar atletas se exercitando em seus aparelhos - é a chance de matar parte das saudades dos fãs da Ginástica