Depois de 13 meses, Seleção de conjunto de GR volta a encarar competição

19.03.2021  |    568 visualizações

Grupo viaja com destino à Bulgária, onde vai participar de etapa da Copa do Mundo

Da Redação, São Paulo (SP) - A longa espera está acabando. Nesta sexta-feira, a Seleção Brasileira de conjunto de Ginástica Rítmica e nossas representantes nas disputas individuais embarcam rumo à Bulgária. Entre os dias 26 e 28 deste mês será disputada a etapa de Sófia da Copa do Mundo.

Desde fevereiro do ano passado, quando participou do Grand Prix de Moscou, a Seleção Brasileira de conjunto não compete. Embalada na preparação que visava à conquista da vaga olímpica, antes de a tragédia da pandemia se abater sobre o planeta, a equipe obteve o sexto lugar na série para cinco bolas e a quinta na mista (três arcos e dois pares de maças). Camila Ferezin, a treinadora do conjunto, recorda contextualiza: “Logo depois do retorno de Moscou estávamos em um ótimo ritmo de treinamento, porém a pandemia encerrou de repente nossas atividades, em março do ano passado. Iniciamos então um trabalho forte em formato remoto. Voltamos a nos reunir presencialmente apenas em julho. Nossas ginastas vão entrar na quadra para competir após 13 meses, com muita energia e motivação, controlando a ansiedade e com foco na execução das nossas coreografias, que foram totalmente renovadas”.

Camila explica que o nível da prova em Sofia será muito mais elevado do que o de Moscou. “Copa do Mundo tem peso maior do que Grand Prix. Na Bulgária teremos vários conjuntos que já estão classificados para os Jogos Olímpicos. Nossa expectativa, portanto, não é alcançar os mesmos resultados, mas avaliar a evolução dos trabalhos e das notas, principalmente diante dos nossos adversários do continente americano”, explica Camila, já aludindo à luta pela conquista da classificação olímpica, que vai se dar no Pan de Ginástica, no Rio, em junho (entre os dias 11 e 13).

O trabalho para modificar as séries, que teve etapas já em Portugal, durante a Missão Europa, vai ser colocado à prova. “Estamos sempre em processo de adaptação das coreografias, objetivando o incremento das notas de dificuldade. Por conseguinte, ainda que a essência das coreografias se mantenha, sempre há novidades e novos elementos. Tem uma questão adicional, que é a estreia da coreografia de bolas, o que vai ser uma surpresa, já que nunca antes competimos com essa nova composição”, esclarece Camila.

Cheia de expectativas cercando a Copa do Mundo, Camila celebra a qualidade do grupo de 12 ginastas que conseguiu reunir. “A seleção está em uma excelente fase. Temos hoje um grupo coeso e harmônico, e que está imbuído do mesmo objetivo. A gente enxerga isso quando vê que, apesar de algumas questões de lesões, a gente tem ginastas aptas para substituir e executar as rotinas. Por esses motivos, estou muito confiante no que estamos desenvolvendo. As séries estão bonitas, dinâmicas e com um alto grau de dificuldade, sem esquecer o lado artístico, que é nossa marca. Acredito que, se acertamos as coreografias sem grandes erros, vamos ter boas notas e colocações”.

DELEGAÇÃO – COPA DO MUNDO DE SÓFIA

Chefe de Delegação: Bruna Martins Rosa

Modalidade: Ginástica Rítmica - Conjunto

Ginastas: Beatriz Linhares da Silva, Bárbara Urquiza Galvão, Geovanna Santos da Silva, Maria Eduarda Arakaki, Nicole Pírcio Duarte e Thainá Ramos dos Santos

Treinadora: Camila Ferezin; Assistente: Bruna Martins Rosa

Modalidade: Ginástica Rítmica – Individual

Ginastas: Bárbara Godoy Domingos e Natália de Azevedo Gáudio

Treinadoras: Márcia Moura Naves e Mônika Mello Queiroz

Árbitro: Márcia Aversani Lourenço

Fisioterapeuta: José Nivaldo de Andrade Neto

 

Leia também...
08.05.2021

Depois de brilhar nas cinco bolas, Brasil faz ótima apresentação também na prova de três arcos e dois pares de maças

07.05.2021

Brasil alcança 38.550, melhor resultado já alcançado por um conjunto das Américas neste ciclo olímpico

07.05.2021

Pela primeira vez neste ano, País terá representantes nas disputas individuais e também na de conjuntos

04.05.2021

Fernanda Bini, diretora técnica da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem, diz que entidade se destaca como uma das confederações que atuam em defesa do Jogo Limpo