Reencontro de Camilla e Alice é marcado por belo desempenho e classificação em primeiro lugar no sincronizado

27.06.2022  |    337 visualizações

No masculino, Lucas Junio Tobias e Gabriel Miranda também alcançam a final

Da Redação (SP) - O Brasil mostrou que tem presente e futuro no trampolim sincronizado feminino. Nesta segunda-feira (27), a dupla formada por Camilla Gomes e Alice Hellen avançou para a final na primeira colocação, com a nota 47.780, e já pode ser considerada favorita para a conquista do bicampeonato do Pan-Americano de Ginástica de Trampolim, disputado na Arena Carioca 1, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro. Nesta terça-feira, a transmissão ao vivo será exclusividade do Canal Olímpico, da TV NSports, a partir das 9h.

Além do desempenho excelente dessa dupla mais experiente, que já foi medalhista na Copa do Mundo e líder do ranking da FIG, a outra parceria brasileira inscrita na competição, formada por Ana Luiza Soares e Maria Luiza Oliveira, obteve a quarta melhor posição na qualificatória, com a nota 43.620. O regulamento da competição estabelece, no entanto, que só pode avançar uma dupla de cada país.

No masculino, o Brasil também se classificou, com Lucas Junio Tobias e Gabriel Miranda, que obtiveram a quinta posição (46.420). Eles disputarão a final nesta terça-feira (28).

Alice estava particularmente feliz por ter competido bem depois de passar por uma cirurgia no joelho direito, no início do ano. A competição no Rio de Janeiro vem sendo encarada com um certo alívio depois de algumas incertezas. 

“O que eu mais queria era conseguir vir, competir e fazer bem as minhas séries. A cirurgia no menisco pela qual passei em janeiro, apesar de simples, sempre demanda um tempo de recuperação. O meu principal foco, portanto, era conseguir fazer as minhas séries, e estou feliz porque me senti muito bem para competir. As competições neste primeiro semestre eram uma dúvida. Tive todo o apoio do Minas Tênis Clube para a recuperação da lesão, mas eu não sabia como iria conseguir competir. Estou muito feliz e aliviada”, destacou ela.

Esta é a segunda competição de Alice depois da cirurgia. A atleta participou do Campeonato Brasileiro Loterias Caixa há duas semanas, em Ouro Preto (MG), a cidade natal dela. A experiência foi considerada por ela como superpositiva, mas a atleta define o Pan como um evento “ainda mais especial”. 

“A gente está se sentindo realmente em uma arena de Mundial. Está tudo impecável, lindo e funcionando muito bem. Desde os voluntários até o presidente do COB (Paulo Wanderley Teixeira), que esteve aqui para acompanhar a competição. A gente veio para fazer o nosso melhor e conseguimos, tanto ontem (domingo) quanto hoje. Para amanhã (terça-feira) esperamos o mesmo: fazer o nosso melhor para conseguir uma medalha para o Brasil. A gente sabe o quanto esse resultado é importante para todos”, afirmou a ginasta. 

A oportunidade de competir juntas já é encarada como um ponto extremamente positivo pelas duas atletas. Como Camilla mora nos Estados Unidos e Alice no Brasil, em Belo Horizonte, a tecnologia vem ajudando. 

“A gente conversa muito pelo telefone, tira tempo no cronômetro e hoje foi muito importante porque a gente vinha batendo na tecla de tentar colocar mais dificuldade na série e acertar, e hoje a gente conseguiu. O sincronismo não foi perfeito, como queríamos, mas foi uma oportunidade de treinar juntas. Na final, vamos com tudo para conseguir uma medalha para o Brasil”, disse Alice.

Camilla Gomes também se mostra entusiasmada. A ginasta elogiou toda a estrutura encontrada no Rio. Vivenciar eventos com esse nível também faz, segundo ela, parte de uma preparação para os atletas.

“A arena está muito bonita, muito parecida com um Mundial ou Copa do Mundo, e isso é muito importante para nos prepararmos e não sentirmos um choque de realidade. Está muito bonito. E uma coisa que eu estou muito feliz é que a Alice está de volta. Eu fui sozinha para a Copa do Mundo, na Itália. Ter a minha parceira e amiga ao lado é muito bom. Estou muito feliz”, destacou Camila. 

A ginasta comemorou o bom desempenho da dupla na qualificatória. “Conseguimos competir superbem, fizemos a série com mais dificuldades. Depois do terceiro lugar em Baku, em 2019, foram três competições em que ficamos com a quarta colocação e sabíamos que era preciso colocar mais dificuldade. Mas, como eu treino nos Estados Unidos e ela aqui, fica um pouco complicado. Às vezes dentro da competição há um tempo suficiente para acabar arriscando e viemos com esse pensamento. Além disso, competir em casa e sentir a energia do povo brasileiro é muito bom. Estou realmente muito feliz”, concluiu Camilla.

Júnior. No trampolim individual júnior feminino, o Brasil foi muito bem também, emplacando duas representantes nas duas primeiras posições – Gabriela Rodrigues e Alice Albuquerque, respectivamente. 

No júnior masculino, Arthur Ferreira e Marcos Paulo Pedro também se classificaram – e já garantiram medalhas de antemão, porque a final terá apenas três ginastas. O argentino Tomás Roberti assegurou a primeira colocação.

No duplo-mini, deu a lógica: Lucas Junio Tobias, que já foi campeão mundial nessa modalidade, avançou em primeiro lugar. João Guilherme Silva, outro representante da equipe da casa, classificou-se na terceira colocação.

 

FINALISTAS – TRAMPOLIM SINCRONIZADO FEMININO

1º) ALICE HELLEN/CAMILLA GOMES – BRASIL – 47.780

2º) MICHELLE CUEVA/DAFNE NAVARRO – MÉXICO – 44.800

3º) FLORENCIA BRAUN/CANDELA SACCA – ARGENTINA – 43.140

4º) KATISH RECALDE/ISABEL CASTRO – COLÔMBIA – 42.660

5º) REBECA ALVAREZ/CATHERINE MEZA – VENEZUELA – 38.670

6º) GABRIELLA FLYNN/MAJA BONHAM – CANADÁ – 38.270

 

FINALISTAS – TRAMPOLIM SINCRONIZADO MASCULINO

1º) NATHAN SHUH/ROBERT SOEHN – CANADÁ – 50.090

2º) PAUL BRETSCHER/TREVOR HARDER – EUA – 49.400

3º) ALVARO RAMÓN/ANGEL RECALDE – COLÔMBIA – 48.060

4º) JOSÉ HUGO MATA/ADRIAN LARRALDE – MÉXICO – 47.630

5º) GABRIEL MIRANDA/LUCAS JUNIO TOBIAS – BRASIL – 46.420

6º) SANTIAGO FERRARI/TOBIAS GONTIER – ARGENTINA – 45.720

7º) SEBASTIAN CABRERA/MIGUEL GARNICA – VENEZUELA – 13.290

FINALISTAS – TRAMPOLIM INDIVIDUAL FEMININO JÚNIOR

 

1º) GABRIELA RODRIGUES – BRASIL – 90.760

2º) ALICE ALBUQUERQUE – BRASIL – 89.720

3º) ALMA FIGUEIREDO – ARGENTINA – 88.220

4º) MARTINA QUINTANA – ARGENTINA – 87.460

5º) PAULA ALBA – COLÔMBIA – 48.210

LUIZA PORTO – BRASIL -  85.890

CLARA SANTOS – BRASIL - 85.440

 

FINALISTAS – TRAMPOLIM INDIVIDUAL MASCULINO JÚNIOR

1º) TOMAS SANTINO ROBERTI – ARGENTINA – 95.280

2º) ARTHUR FERREIRA – BRASIL – 89.545

3º) MARCOS PAULO C. PEDRO – BRASIL – 88.810

KAUÃ OLIVEIRA – BRASIL – 81.425

ÍCARO AMORIM – BRASIL – 44.625

 

FINALISTAS – DUPLO-MINI TRAMPOLIM

1º) LUCAS JUNIO TOBIAS – BRASIL – 50.900

2º) TREVOR HARDER – ESTADOS UNIDOS – 50.300

3º) JOÃO GUILHERME SILVA – BRASIL – 48.700

4º) IAN GONZALEZ – MÉXICO – 38.500

5º) FEDERICO CURY – ARGENTINA – 27.200

 

PROGRAMAÇÃO (TRANSMISSÃO AO VIVO PELO CANAL OLÍMPICO – TV NSPORTS

9h – 10h20 – FINAL TRAMPOLIM ELITE – MASCULINO E FEMININO

10h20-11h – FINAL TRAMPOLIM INDIVIDUAL JÚNIOR – MASCULINO E FEMININO

11h-11h40 – FINAL DUPLO-MINI TRAMPOLIM – SÊNIOR MASCULINO

11h40-13h – FINAL TRAMPOLIM INDIVIDUAL ELITE – MASCULINO E FEMININO

 

 

Leia também...
14.08.2022

Competição exibe talentos lapidados na base da modalidade

14.08.2022

Rebeca competiu nos quatro aparelhos pela primeira vez desde os Jogos Olímpicos; no masculino, Caio Souza conquista quatro medalhas de ouro

11.08.2022

Rebeca Andrade voltou a apresentar sua série de solo, ao som de "Baile de Favela"

10.08.2022

Rebeca Andrade, Arthur Zanetti e Arthur Nory estarão em ação na Arena de Esportes da Bahia, em Lauro de Freitas