Ginástica de Trampolim realiza com sucesso estudo do código de pontuação

21.10.2020  |    93 visualizações

Fomentar o conhecimento acerca das regras das modalidades da Ginástica é objetivo permanente da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG)

Da Redação, São Paulo (SP) - Acostumados a saltar e depois aterrissar mais ou menos no mesmo lugar, os atletas da Ginástica de Trampolim, assim como toda a humanidade, deram um salto no desconhecido quando tiveram noção do significado da pandemia imposta pelo novo coronavírus. Mas nem tudo são agruras nessa jornada. Na Inglaterra, por exemplo, a necessidade de permanecer por mais tempo em casa deu tração para hobbies como a jardinagem e a marcenaria. Outra decorrência – esta disseminada pelo mundo - é a multiplicação de cursos e atividades oferecidas na modalidade a distância.

A CBG é uma das entidades esportivas nacionais que responderam com maior agilidade a esse cenário desafiador. Os treinamentos ministrados com a utilização de aplicativos de compartilhamento de imagens e sons vieram para ficar, bem como a realização de cursos. No início deste mês, os palestrantes Diego Satiro da Cruz e Marcos Minoru Otsuka, ambos integrantes do Comitê Técnico de Ginástica de Trampolim da CBG, ofereceram um estudo do Código de Pontuação (CoP) da GTR.

A ação foi desenhada com a finalidade de propagar conhecimento sobre as regras da modalidade aos integrantes da comunidade gímnica, que puderam se aprofundar a respeito dos critérios de avaliação das rotinas. O foco do curso não foi a formação de novos árbitros, mas uma explanação da forma de se exercer um julgamento, o que propicia também um direcionamento mais coerente dos treinamentos.

“Nosso público foi heterogêneo; abrangeu árbitros antigos e jovens com grande conhecimento do CoP e também treinadores dos mais diversos níveis. Nosso objetivo é justamente fomentar a modalidade. Precisamos de treinadores que almejem escalar patamares cada vez mais altos, e para isso incentivamos que estudem”, diz Satiro, que é Coordenador Técnico de Ginástica de Trampolim da CBG.

Com a suspensão do calendário de competições, a atividade ajudou a “desenferrujar” árbitros e também a desmistificar impressões comumente disseminadas de que o CoP seja um calhamaço com um nível de complexidade intimidador. “Os códigos são complexos, é claro, e podem até assustar no início do contato com ele. Mas nosso trabalho vai no sentido de contribuir para que todos possam entender esse conteúdo. Nosso propósito é sempre proporcionar clareza e objetividade na abordagem”, explica Diego.

Minoru, frequentador assíduo de cursos há muitos anos, avalia que a ação foi extremamente válida. “Foi uma forma que encontramos de mantermos toda a comunidade ativa”, explica. “Antes da pandemia, já estávamos lendo o código novo, que passaria a ter vigência a partir de 2021. Como a validade do atual código foi prorrogada, em função da pandemia, sentimos necessidade de reestudar o atual código. Assim, tivemos a oportunidade de chegar a certo nível de aprofundamento, e recebemos um feedback bem positivo”, diz o treinador e árbitro internacional.

 

Leia também...
02.12.2020

Serão eleitos quatro atletas para preenchimento de vagas restantes

30.11.2020

Palestra da renomada coreógrafa Cláudia Borelli foi mediada por Kátia Lemos

30.11.2020

Membros das comissões disciplinares das duas entidades traçam planos para dar suporte às atletas da Ginástica Rítmica

28.11.2020

Ginasta brasiliense de 16 anos é convocada para passar uma semana no CT de Aracaju