Comissão de Ciência e Educação mostra atuação do Comitê de Ética e Integridade em live fundamental

17.12.2021  |    351 visualizações

Paulo Schmitt e Fernando Silva Júnior transmitiram valiosos conhecimentos para a comunidade gímnica

Da Redação (SP) - Lançada oficialmente no final de 2020, a Comissão de Ciência e Educação da Confederação Brasileira de Ginástica fechou seu primeiro ano de atuação, no dia 14, com uma live fundamental, que dá conta das atividades do Comitê de Ética e Integridade da CBG, que envolve ações perpetradas para combater o doping, abuso e assédio sexual, manipulações de resultados, racismo e preconceito. O coordenador da CCE, o professor doutor Marco Antônio Coelho Borboleto, exerceu a função de mediador no encontro, que contou com a participação de Paulo Schmitt, Consultor Jurídico e de Integridade da CBG, e de Fernando Silva Júnior, Presidente do Comitê de Ética e Integridade da CBG e do STJD da Ginástica.

Schmitt lembrou que a CBG é pioneira, entre as confederações esportivas brasileiras, no combate à violência, abusos e assédios, ao incluir no programa de um seminário realizado pelo COB e pela CBG, em janeiro de 2018, no auditório do Centro de Treinamento do Time Brasil, junto ao Parque Aquático Maria Lenk, o tema de combate ao abuso e assédio.

“A gestão da professora Luciene (Resende) nos deixa muito orgulhosos por todo o suporte que nos presta para o desenvolvimento das ações de ética e integridade da CBG”, disse Schmitt.

O Consultor Jurídico abriu sua exposição destacando a transparência dos sistemas de prestação de contas e do processo eleitoral da CBG. Em seguida, destacou a importância da luta contra a corrupção, assédio, doping e fraudes. “Quando esses crimes ocorrem, os eventos do esporte ganham má reputação, o que afeta o interesse do público, provoca queda nos índices de audiência e no interesse dos patrocinadores. No final do processo, temos o desinteresse das crianças e jovens a fazer parte da modalidade e de se tornarem atletas profissionais”, disse o advogado. “O conhecimento e a educação são a nossa proteção. A integridade é fator de sobrevivência do esporte. É educar antes para não ter que punir depois”, acrescentou.

Ganhou destaque na exposição de Schmitt o combate à manipulação de competições, um fator de risco para o esporte que tem ganho relevância com o crescimento do mercado de apostas esportivas. “Trata-se de uma atividade empreendida para lavagem de dinheiro. A vulnerabilidade que temos no Brasil nos preocupa, porque temos aqui fatores que concorrem para esse crime, como o elevado número de competições, os baixos salários que temos no País e um mercado de apostas não regulado. Além disso, em geral temos um baixo suporte em programas de integridade. A CBG é uma ilha nesse cenário, uma exceção”.

A legislação tem sido aprimorada para combate do chamado “match-fixing”, que é um fenômeno global e poliesportivo. “Hoje temos o Código do Movimento Olímpico sobre Prevenção da Manipulação de Competições, do COI, o Código Disciplinar da FIG, o Estatuto do Torcedor, o Código Brasileiro de Justiça Desportiva, os regulamentos das competições e os códigos de conduta ética”. A esse arcabouço jurídico soma-se o Código de Prevenção e Combate à Manipulação de Competições, recentemente publicado pelo COB, segundo Schmitt.

O advogado destacou as inúmeras ações de educação levadas a cabo pela CBG, com a realização de lives e de eventos presenciais, aproveitando as reuniões de atletas para períodos de treinamento e competições. “Temos chamado a atenção para as penas decorrentes das ações de preconceito e racismo, que compreendem práticas referentes à raça, cor, idioma, religião e origem”.

Na área do combate ao doping, o Comitê de Ética e Integridade também tem propagado ações educativas. Em parceria com o médico Fernando Antônio Gaya Soléra, Schmitt tem atuado com ações importantes, como a publicação do Guia Antidoping do(a) Atleta de Ginástica. “Temos promovido seminários e lives nos quais mostramos o que é o exame antidoping, para que existe o exame, quem pode aplicá-lo, as penas que podem ser aplicadas e o que fazer em caso de controle positivo”, diz Schmitt.

Por fim, o Consultor Jurídico da CBG mostrou os avanços feitos na instituição do Canal de Ética e Ouvidoria da Confederação, que tem sido aperfeiçoado constantemente para o recebimento de denúncias.

Desde 2015, as denúncias deram origem a nove processos, que resultaram em cinco condenações e duas absolvições – outros dois casos estão tramitando. Já o Comitê de Ética foi o responsável pela instauração de 15 processos desde 2018, que resultaram em duas condenações, cinco recomendações e oito arquivamentos ou remessas para outras instâncias.

Bortoleto destacou a importância do trabalho feito pelo Comitê de Ética e Integridade. “Existe toda uma atividade da CBG, que não é a face mais visível do esporte, mas é fundamental para que os atletas se sintam seguros. Educar é o melhor caminho para que possamos experenciar um esporte melhor para todo mundo”.

Fernando Silva Júnior destacou os avanços que identifica na Justiça Desportiva e também no interior das estruturas da CBG para combate ao doping, assédio, abusos, preconceito e manipulação de resultados. “No Brasil, por preceito constitucional, temos uma Justiça Desportiva sistematizada. Mas nós identificamos, no passado, determinados hiatos. Determinadas situações ocorriam sem resposta adequada. O surgimento dos Comitês de Ética e Integridade têm atuado de uma forma única e diferenciada, que não era possível para a Justiça Desportiva. Destaco ainda a importância dos códigos de ética, fatores que reputo da mais alta relevância para o combate a determinados crimes. E trata-se de códigos aprovados pelos próprios afiliados às confederações, o que reforça sua legitimidade.

O presidente do STJD da Ginástica destacou também a necessidade de ampliação do rol de colaboradores motivados a assumir a luta contra os crimes cometidos no âmbito do esporte. “Precisamos constantemente transmitir conhecimento. E as boas práticas podem ser constantemente aprimoradas. Acredito muito no papel da educação como forma de transformação da sociedade”.

  

 

 

 

Leia também...
21.12.2021

Morinari Watanabe diz que Brasil colhe resultados porque presidente da CBG tem a coragem de pensar de forma diferente

16.12.2021

Treinadores de seis países do continente se reúnem com experts chancelados pela Federação Internacional de Ginástica

10.12.2021

Francisco Porath Neto, Marcos Goto e Camila Ferezin, treinadores que são referência para o esporte, bateram um papo de alto nível em encontro promovido pela CCE da CBG

08.12.2021

Rebeca Andrade recebe o Troféu de Melhor Atleta do Ano