Live sobre Psicologia Esportiva alcança grande engajamento da comunidade gímnica

30.04.2021  |    222 visualizações

Psicólogas Anna Vitoria Renaux e Bianca Andrade passaram orientações valiosas para o desafiador momento pandêmico

Da Redação (SP) - No último dia 22, a CBG realizou mais uma live de importância fundamental neste período de pandemia, que teve como tema “Medidas de enfrentamento dos atletas de alto rendimento diante do permanente isolamento social”. A atividade foi ministrada por Anna Vitoria Renaux, que é psicóloga da Seleção Brasileira de Ginástica Rítmica de Conjunto, e por Bianca Andrade, psicóloga esportiva e docente da Faculdade Nove de Julho.

A atividade, que durou cerca de uma hora e vinte minutos, atraiu, em média, 150 visitantes simultâneos ao aplicativo de reunião virtual, e contou com ativa participação da comunidade gímnica. “Gostei muito da live. Ter a oportunidade e o espaço para conversar um pouquinho com os atletas e treinadores sobre essas questões relacionadas à saúde mental foi muito gratificante. Acredito que é muito importante essa informação para que os atletas possam inserir no dia a dia deles algumas ferramentas para que continuem cuidando da saúde mental, continuem aderindo ao trabalho físico, técnico, aos exercícios de fisioterapia, à dieta prescrita pelo nutricionista, para que continuem nessa rotina de atleta mesmo longe do centro de treinamento”, disse Bianca.

Uma das principais questões abordadas na live, segundo Bianca, é a necessidade de separar o que está sob o controle dos atletas daquilo que não está. “Várias coisas estão fora do nosso controle: quando essa pandemia vai acabar, quando serão as próximas competições, como vai ficar o desempenho do atleta quando ele retornar. A gente querer controlar isso vai gerar ansiedade, frustração, preocupações diante de coisas quanto às quais não existe nada a ser feito. Devemos voltar nossa atenção para as coisas que estão sob nosso controle: nossa rotina, nosso sono, nossa alimentação, nosso exercício físico diário”, diz a especialista.

Segundo Anna Vitoria, as atletas da Seleção de GR de Conjunto, com as quais tem mais contato, estão sabendo aplicar aquilo que é transmitido nas sessões. “Elas estão se esforçando diariamente para fazer o melhor possível com os recursos que possuem no momento. Estão com bastante garra e motivação para alcançar as metas deste ano. A GR do Brasil está mentalmente mais forte, pois as ginastas aproveitaram o longo período de isolamento para treinar habilidades psicológicas”.

Uma das valiosas ferramentas colocadas à disposição das atletas, e que foi abordada durante a live, é a prática da meditação, como explica Bianca. “As ginastas que temos atendido têm aderido à meditação e é interessante a forma como temos inserido esse hábito na rotina delas. A gente começa aos poucos, incentivando a prática em dois ou três dias por semana e depois vamos aumentando, progressivamente, até o ponto em que consigam meditar sete dias por semana. E isso para que não se sintam frustradas por não terem feito meditação todos os dias. Aos poucos, elas vão sentindo os benefícios dessa prática e vão inserindo esse hábito de uma forma natural, mais vezes por semana. A meditação é extremamente importante para o esportista por três motivos: o primeiro deles é por conta da regulação da atenção; é eu conseguir direcionar minha atenção para o estímulo relevante naquele momento para a execução daquela tarefa; num segundo ponto ela ajuda bastante na regulação das nossas emoções: com a meditação,  faço vários exercícios de respiração, e, eles, por si só, ajudam a reduzir a ansiedade cognitiva, dos nossos pensamentos muito acelerados, relacionados a catástrofes, geralmente, e também a ansiedade somática, que sentimos no nosso corpo – coração muito acelerado, músculos muito tensos, entre outras coisas; num terceiro ponto, a meditação ajuda bastante o atleta a desenvolver a consciência corporal. Então tem algumas meditações, como o escaneamento corporal, que ajuda a trazer o foco do atleta para o corpo: para o pé, para as pernas, pro tronco...O fato de ele conseguir a atenção para o corpo ajuda a desenvolver a consciência corporal, assim ele fica mais sensível para identificar uma possível lesão, por exemplo”.

Segundo Bianca, o trabalho das psicólogas está tendo amplo respaldo na CBG. “A comunidade da ginástica percebe a importância da preparação mental. A gente tem tido muita abertura dos treinadores, fisioterapeutas, nutricionistas, de toda a comissão técnica nos dando suporte para o trabalho da preparação mental, afinal de contas o nosso trabalho é conjunto. Os atletas estão aderindo bastante, percebendo a importância da preparação mental, a importância de ter ali um psicólogo cuidando disso. Afinal de contas, os atletas são também seres humanos que passam por dificuldades, que necessitam de cuidados”.

Na opinião de Anna Vitoria, o peso do preparo mental nos Jogos Olímpicos de Tóquio deverá ser mais importante do que nunca. “Os atletas passaram por muitas adversidades em 2020 e 2021. Aqueles que conseguiram tirar esse tempo para desenvolver habilidades psicológicas importantes como resiliência, regulação emocional e atenção plena estarão em vantagem”.

 

Leia também...
14.06.2021

Ginastas brasileiras conseguiram cinco dos seis ouros que estavam em jogo na GR no domingo

13.06.2021

Equipe brasileira termina em primeiro lugar no quadro de medalhas, com três medalhas de ouro e uma de prata

13.06.2021

Série mista garante equipe nacional em Tóquio

12.06.2021

Série mista garante equipe nacional em Tóquio