Brasil brilha e emplaca presença em duas finais do Mundial

28.05.2021  |    222 visualizações

Lucas Barbosa se garante na final individual e na de duplas mistas, ao lado de Rebeca Silva

Da Redação (SP) - Depois de um longo afastamento das competições, em decorrência da pandemia, a participação do Brasil no Mundial de Ginástica Aeróbica de Baku era uma grande incógnita. Mesmo assim, o País conseguiu emplacar participação em duas finais, que serão disputadas neste sábado (29), a partir das 8h05 (horário de Brasília). O SporTV 3 transmitirá ao vivo.

Às 8h05, Lucas Barbosa vai disputar a final individual. O brasileiro obteve a terceira melhor nota na etapa classificatória, nesta sexta-feira: 21.750, atrás apenas do russo Roman Semenov (22.050) e do espanhol Miquel Mane (21.750). Os outros cinco finalistas serão o romeno Gabriel Bocser (21.500), o búlgaro Antonio Papazov (21.400), o russo Ilia Ostapenko (21.100), o azeri Vladimir Dolmatov (21.000) e o italiano Davide Nacci (20.950).

Pouco depois, às 8h36, Lucas volta à quadra para disputar a final das duplas mistas, ao lado de Rebeca Silva. A dupla brasileira obteve a quarta melhor nota, atrás apenas da equipe 2 da Itália (22.250), equipe 2 da Rússia (22.000) e da Hungria (21.950).

Lucas ficou satisfeito com sua apresentação hoje na disputa individual, mas acha que pode ir ainda melhor na final. “Gostei da minha performance, mas não dei tudo de mim. Posso melhorar bastante nos giros. Não fui preciso em todos os movimentos e abaixei a dificuldade em um dos giros. Dá pra melhorar isso pra sábado”, afirma o ginasta, que avalia ter conseguido montar, com sua comissão técnica, uma série capaz de evidenciar suas melhores qualidades. “Tento ao máximo conectar o público comigo, isso faz muita diferença. É fazer as pessoas que estão vendo sentirem a mesma energia que sinto durante a prova. Transmitir energia é uma das minhas características mais fortes”. No caso, o público presente no ginásio é formado apenas pelos ginastas e por seus treinadores.

O ginasta acredita que foi bastante feliz na escolha da música – I’m Still Standing, de Elton John. “Gosto muito do Elton John. Através do filme dele (a cinebiografia Rocket Man) escolhi essa música. Acho que a letra fala um pouco da minha história na ginástica, me representa bastante”.

Na final, Lucas espera convencer a banca de arbitragem com os traços autorais de sua ginástica. “Em algumas ligações eu mostro minha originalidade. Tenho minha marca por ser um atleta explosivo e muito flexível”.

Dupla mista. Há grande empolgação na delegação brasileira também com a conquista da vaga na final das duplas mistas. O orgulho se justifica – foi necessária uma enorme dose de superação para que Rebeca e Lucas alcançassem a quarta colocação na fase classificatória.

“Estamos com essa série há dois anos, mas, devido à pandemia, competimos com ela apenas duas vezes, em 2019, e também não treinamos tanto quanto seria em um ano normal”, diz Rebeca.

Segundo Lucas, a dupla soube extrair o melhor resultado possível, diante das condições de trabalho que havia. “Nossa preparação foi um pouco complicada. Trabalhamos com a melhor condição que tínhamos no momento. Treinamos bastante em casa e não pudemos participar de competições preparatórias, ao contrário da galera da Europa”.

Essa longa separação dos tablados de competição pesou, segundo Rebeca, mas foi superada. “A sensação de voltar a competir depois de tanto tempo foi incrível. Na realidade, foi surpreendente o nosso resultado. Fiquei supernervosa, como se fosse a primeira vez, mas com muita vontade de pisar no tablado”.

Segundo Lucas, há boa margem de melhora para a decisão. “Em alguns momentos da nossa série, podemos melhorar bastante. Sábado vamos lutar com unhas e dentes”.

Na opinião de Rebeca, o Brasil tem trunfos que poderão fazer a diferença na final. “Acredito que o que mais chama a atenção da arbitragem e o nosso diferencial é que nós somos, além de técnicos, muito artísticos”.

De qualquer forma, na avaliação da ginasta, a dupla já marcou seu nome na história, independentemente do resultado na final. “A classificação para a final em um Mundial é um feito muito importante, e mostra toda a qualidade do nosso trabalho”.

 

Leia também...
02.08.2021

Arthur Zanetti e Caio Souza terminaram em oitavo lugar nas argolas e no salto, respectivamente

02.08.2021

Arthur Zanetti e Caio Souza terminaram em oitavo lugar nas argolas e no salto, respectivamente

28.07.2021

Caio Souza obteve a 17ª colocação, e o jovem Diogo Soares foi o 20º

28.07.2021

Evolução constante de Caio e desenvolvimento de Diogo são destacados pela comissão técnica do Brasil.