Brasil brilha nas finais por aparelhos e termina o Pan com nove ouros

06.06.2021  |    202 visualizações

Caio Souza se destacou, conseguindo cinco medalhas de ouro

Da Redação (SP) -No dia das finais por aparelhos, a Ginástica do Brasil mais uma vez foi soberana no Campeonato Pan-Americano, na Arena Carioca 1. Caio Souza, que já havia conquistado o ouro no individual geral e na competição por equipes, somou mais três peças à sua coleção: foi o primeiro colocado também nas argolas (14.700), no salto sobre a mesa (14.575) e nas paralelas (14.900). O generalista deixou o ginásio com cinco medalhas de ouro. Nas paralelas, Diogo Soares, competindo mais solto depois de conquistar, na sexta-feira, a vaga para o Brasil, assegurou um bronze (14.050), atrás do colombiano Javier Sandoval (14.500).

Mesmo com todas essas conquistas, o atleta, um perfeccionista, ainda estava se lamentando, à tarde, por uma queda do cavalo com alças, sofrida pela manhã, que lhe tirou as chances de obter uma sexta medalha. “Fico me remoendo um pouco por causa do cavalo, porque a gente treina muito. Mas, apesar disso, estou muito feliz pelos resultados. O Campeonato Pan-Americano foi um bom esquenta para os Jogos Olímpicos. Agora só falta a reta final da preparação. É caprichar um pouco mais nuns passinhos, uma postura aqui e outra ali”.

Nas paralelas assimétricas, Lorrane Oliveira, com uma execução muito próxima da perfeição, sagrou-se campeã, com a nota 13.867. Christal Bezerra, também muito técnica, completou a dobradinha brasileira, com 12.967. A argentina Martina Dominici assegurou o bronze, com 12.767.

Outro grande destaque brasileiro nas finais foi Ana Luiza Lima. Ao som de um tango de Astor Piazzolla, a jovem paranaense, com uma exibição intensa e muito graciosa, conquistou a medalha de ouro no solo, com a nota 12.967. Christal fez companhia a Ana no pódio, ao faturar o bronze, com 12.767. Entre as duas brasileiras ficou a argentina Martina Dominici (12.800).

Mais um talento em ascensão, Júlia Soares, de apenas 16 anos, conseguiu a medalha de bronze na trave, logo em sua primeira competição da categoria adulta. Com a nota 12.333, ficou atrás apenas da costa-riquenha Luciana Alvarado (13.033), que se classificou para a Olimpíada, e da mexicana Paulina Martinez.

No solo, o jovem Tomás Florêncio brilhou, com vários saltos cravados, e conquistou a medalha de prata (13.100). O brasileiro foi superado apenas pelo equatoriano Israel Chiriboga (13.550). O argentino Julian Jato (13.050) completou o pódio.

No cavalo com alças, nosso maior especialista no aparelho, Francisco Barretto Júnior, não cometeu grandes falhas, mas apresentou alguns probleminhas na execução. A prova foi bastante equilibrada. Os três finalistas obtiveram a mesma nota (13.000). A definição das medalhas se deu pelos critérios de desempate e, como a execução do brasileiro foi a pior entre os três, ele ficou atrás do argentino Santiago Mayol e do colombiano Javier Sandoval.

Arthur Nory, campeão mundial na barra fixa, não conseguiu reeditar a bela atuação na fase classificatória e acabou ficando na oitava colocação, com 11.500. Diogo Soares foi o sétimo (12.500). O pódio foi formado pelos colombianos Javier Sandoval (13.900) e José Manuel Martinez Moreno (13.300) e pelo argentino Santiago Mayol (12.900).

No quadro geral de medalhas, o Brasil terminou com nove ouros, duas pratas e cinco bronzes. A Colômbia somou dois ouros, seis pratas e três bronzes. A Argentina conseguiu dois ouros, cinco pratas e sete bronzes. Já o México obteve um ouro, três pratas e um bronze. Os Estados Unidos, depois de assegurar uma vaga individual, por meio de Paul Juda, optou por não disputar as finais por aparelhos.

 

Leia também...
14.06.2021

Ginastas brasileiras conseguiram cinco dos seis ouros que estavam em jogo na GR no domingo

13.06.2021

Equipe brasileira termina em primeiro lugar no quadro de medalhas, com três medalhas de ouro e uma de prata

13.06.2021

Série mista garante equipe nacional em Tóquio

12.06.2021

Série mista garante equipe nacional em Tóquio